• Document: Administração de Medicamentos Via Parenteral
  • Size: 582.83 KB
  • Uploaded: 2019-02-12 17:28:32
  • Status: Successfully converted


Some snippets from your converted document:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE – FURG ESCOLA DE ENFERMAGEM SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA II Administração de Medicamentos Via Parenteral Profª MSc. Bárbara Tarouco da Silva Rio Grande 2012/2°semestre Conteúdo adaptado de material disponibilizado da Profª Marta Borba Figura 1 Via parenteral • Via empregada com maior frequência para indicar os medicamentos administrados através de injeções. • As injeções são administradas com vários tipos de seringas e de agulhas. Figura 2 Objetivos  Situações de emergência.  Absorção mais rápida. Figura 3  Eficiência na dosagem.  Proteção às drogas destruídas pelos sucos digestivos.  Uso em pacientes irracionais, inconscientes, com severos problemas gástricos. Figura 4 Absorção • As características do tecido influenciam no grau de absorção do medicamento e no início da ação deste. Características gerais dos medicamentos Os medicamentos: • são estéreis; • são isentos de substâncias pirogênicas; • têm pH dentro dos limites fisiológicos; • são líquidos, na maioria das vezes. Apresentação dos medicamentos • Estáveis em solução: ampolas, vidros ou frascos (soluções aquosas, oleosas ou em suspensões); • se deterioram em solução: Figura 5 armazenados em pó. Frascos = forma líquida ou sólida Figura 6 Figura 7 Figura 8 Material utilizado • Todas as seringas apresentam um cilindro, que serve como recipiente para o medicamento; um êmbolo, utilizado para retirar e sugar o medicamento; e uma extremidade, a qual é acoplada à agulha. • As seringas devem possuir medidas em mililitros (ml) ou unidades (U). • Quando os medicamentos são administrados via parenteral, as seringas que contêm 1 ml ou seu equivalente em unidades e aquelas com volumes de 3 a 5 ml são as mais utilizadas. Figura 9 Agulhas Figura 10 • São encontradas em vários comprimentos e calibres. • Possuem um eixo que encaixa sobre a ponta da seringa. • O comprimento ou haste das agulhas depende da profundidade em que o medicamento será aplicado. O tamanho das agulhas varia, dependendo da via de administração. • A parte desses objetos que perfura a pele é chamada de bisel. • O calibre de uma agulha refere-se ao seu diâmetro ou à largura. Agulhas • O profissional pode manusear o eixo da agulha para assegurar um encaixe firme na seringa. No entanto, a haste e o bisel devem permanecer sempre estéreis. • São vários fatores analisados ao selecionar uma seringa e uma agulha adequadas: • eles incluem: tipo de medicamento; profundidade do tecido; volume da droga prescrita; viscosidade da droga, tamanho do paciente. • Materiais complementares: cateteres, garrote, algodão, antisséptico, luvas de procedimento ou estéreis. • Sistema de injeção sem agulha – pistola. MATERIAL NÃO DESCARTÁVEL MATERIAL DESCARTÁVEL Figura 12 Figura 11 Condições de utilização: • devem estar estéreis; • deve haver encaixe perfeito dos componentes da seringa e da agulha na seringa; • as agulhas de bisel devem estar afiadas; • os invólucros devem estar íntegros e secos. Dimensões das seringas e agulhas • Seringas 1 ml 3 ml 5 ml 10 ml 20 ml Figura 11 Agulhas 13x 4,5 13 x 4,0 25 x 6,0 25 x 7,0 25 x 8,0 25 x 9,0 30 x 7,0 30 x 8,0 30 x 9,0 40 x 10 40 x 12 Figura 14 Dimensões dos cateteres • Cateteres Possíveis tamanhos de cateteres 27 25 23 21 19 Figura 13 Dimensões das seringas, agulhas e dos cateteres: Tipo de injeção Tamanho da Tamanho da seringa agulha Subcutânea até 3 ml 13 x 4,5 Intramuscular 3 e 5 ml 25 x 7 25 x 8 Intradérmica 1 ml 13 x 4,5 Vias para injeção Há quatro vias ou locais onde as i

Recently converted files (publicly available):