• Document: MITO E RAZÃO. A passagem do mito à Filosofia
  • Size: 739.07 KB
  • Uploaded: 2019-01-13 22:58:49
  • Status: Successfully converted


Some snippets from your converted document:

A passagem MITO E RAZÃO do mito à Filosofia O QUE PERGUNTAVAM OS PRIMEIROS FILÓSOFOS? Por que os seres nascem e morrem? Por que os semelhantes dão origem aos semelhantes, de uma árvore nasce outra árvore, de um cão nasce outro cão, de uma mulher nasce uma criança? Por que tudo muda? A criança se torna adulta, amadurece, envelhece e desaparece? Por que a doença invade os corpos, rouba-lhes a cor, a força? Sem dúvida, a religião, as tradições e os mitos explicavam todas essas coisas, mas suas explicações já não satisfaziam aos que interrogavam sobre as causas da mudança, da permanência, da repetição, da desaparição e do ressurgimento de todos os seres. Havia perdido força explicativa, não convenciam nem satisfaziam a quem desejava conhecer a verdade sobre o mundo. O QUE É UM MITO? Um mito é uma narrativa sobre a origem de alguma coisa (origem dos astros, da Terra, dos homens, das plantas, dos animais, do fogo, da água etc.). A palavra mito vem do grego, mythos, e deriva de dois verbos: do verbo mytheyo (contar, narrar, falar alguma coisa para outros) e do verbo mytheo (conversar, contar, anunciar, nomear, designar). HOMERO E HESÍODO E SUAS IMPORTÂNCIAS PARA OS MITOS Homero (800 a.C - 701 a.C) e Hesíodo (750 a.C - 650 a.C) foram dois grandes poetas gregos da idade arcaica. Ambos narraram obras importantes para o pensamento mítico que influenciaram na formação da sociedade e cultura grega da época. Teogonia (em grego theos, deus + genea, origem) Narrada por Hesíodo, a teogonia é um poema mitológico para a origem dos deuses. O poema se constitui no mito cosmogônico (descrição da origem do mundo) dos gregos, que se desenvolve com geração sucessiva dos deuses, e na parte final, com o envolvimento destes com os homens originando assim os heróis. Ilíada: narrada por Homero, a Ilíada é um poema mitológico que narra a famosa guerra de Troia, que influenciou fortemente a cultura clássica. Odisseia: narrada por Homero, é um dos principais poemas mitológicos, que narra em uma sequência a Ilíada, o desfecho da batalha de Troia. QUEM NARRA O MITO? O poeta-rapsodo. Quem é ele? Por que tem autoridade? Acredita-se que o poeta é um escolhido dos deuses, que lhe mostram os acontecimentos passados e permitem que ele veja a origem de todos os seres e de todas as coisas para que possa transmiti-la aos ouvintes. Sua palavra - o mito – é sagrada porque vem de uma revelação divina. O mito é, pois, incontestável e inquestionável. SABER MÍTICO X PENSAMENTO RACIONAL Saber mítico: alegórico acredita-se nele ou não, conforme a própria vontade, mediante um ato de fé, caso pareça belo ou verossímil. Pensamento racional: logos (λόγος) argumentação que pretende convencer. MITO DE ÉDIPO, utilizado pelo dramaturgo Sófocles: reflexão sobre as questões da culpa e da responsabilidade dos homens perante as normas e tabus (Freud). A FILOSOFIA NASCE DE UMA TRANSFORMAÇÃO GRADUAL DOS MITOS OU DE UMA RUPTURA RADICAL COM OS MITOS? Duas foram as respostas dadas. A primeira delas foi dada nos fins do século XIX e começo do século XX, quando reinava um grande otimismo sobre os poderes científicos e capacidades técnicas do homem. Dizia- se, então, que a Filosofia nasceu por uma ruptura radical com os mitos, sendo a primeira explicação científica da realidade produzida pelo Ocidente. A segunda resposta foi dada a partir de meados do século XX, quando os estudos dos antropólogos e dos historiadores mostraram a importância dos mitos na organização social e cultural das sociedades e como os mitos estão profundamente entranhados nos modos de pensar e de sentir de uma sociedade. A FILOSOFIA NASCE DE UMA TRANSFORMAÇÃO GRADUAL DOS MITOS OU DE UMA RUPTURA RADICAL COM OS MITOS? Por isso, dizia-se que os gregos, como qualquer outro povo, acreditavam em seus mitos e que a Filosofia nasceu, vagarosa e gradualmente, do interior dos próprios mitos, como uma racionalização deles. Atualmente consideram-se as duas respostas exageradas e afirma-se que a Filosofia, percebendo as contradições e limitações dos mitos, foi reformulando e racionalizando as narrativas míticas, transformando-as numa outra coisa, numa explicação inteiramente nova e diferente. QUAIS SÃO AS DIFERENÇAS ENTRE FILOSOFIA E MITO? Podemos apontar três como as mais importantes: 1. O mito pretendia narrar como as coisas eram ou tinham sido no passado imemorial, longínquo e fabuloso, voltando-se para o que era antes que tudo existisse tal como existe no presente. A Filosofia, ao contrário, se preocupa em explicar como e por que, no passado, no presente e no futuro (isto é, na totalidade do tempo), as coisas são como são; 2. O mito narrava a origem através de genealogias e rivalidades ou alianças entre forças divinas sobrenaturais e personalizadas, enquanto

Recently converted files (publicly available):