• Document: A INFLUÊNCIA DA FISIOTERAPIA APLICADA NO TRATAMENTO DA INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO EM MULHERES: ESTUDO DA EFICÁCIA DA CINESIOTERAPIA Amanda Laila Rodrigues de Almeida 1 Aline Sâmera ...
  • Size: 360.98 KB
  • Uploaded: 2020-10-17 23:02:27
  • Status: Successfully converted


Some snippets from your converted document:

Visão Universitária (2015) v.(3):109-128 ©2015 - ISSN 1519-6402 A INFLUÊNCIA DA FISIOTERAPIA APLICADA NO TRATAMENTO DA INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO EM MULHERES: ESTUDO DA EFICÁCIA DA CINESIOTERAPIA Amanda Laila Rodrigues de Almeida1 Aline Sâmera Marsal2 1,2 Faculdades Integradas de Cassilândia - FIC, 79540-000, Cassilândia - MS, Brasil RESUMO A incontinência urinária de esforço se caracteriza como perda de urina involuntariamente e consiste em um problema de saúde pública comum entre mulheres em todas as faixas etárias, cujo risco aumenta com a idade e determina consequências físicas, econômicas, psicológicas, emocionais, sexuais e sociais que interferem negativamente na realização de atividades diárias. Este estudo teve como objetivo apontar a influência da cinesioterapia no assoalho pélvico com exercícios perineais e descrever técnicas da fisioterapia, através de uma pesquisa de caráter bibliográfico descritivo exploratório. Em virtude do exposto conclui-se que a abordagem terapêutica propicia técnicas menos invasivas e acessíveis para realização no decorrer do dia, com avaliação e envolvimento do paciente obtém-se eficácia por meio do fortalecimento da musculatura pélvica, possibilitando alívio dos sinais e sintomas, das perdas urinárias e promoção da melhora na qualidade de vida, entretanto existe necessidade de mais pesquisas para determinar por quanto tempo a fisioterapia permanece adequada. Palavras Chave: Incontinência urinária; fisioterapia; cinesioterapia. Abstract Urinary incontinence is characterized as loss of urine involuntarily, consists a problem of common public health, among women of all age groups, whose risk increases with age, and determines physical consequences, economic, psychological, emotional, sexual and social that has a negative interference on performing daily activities. This study aimed to point out the influence of kinesiotherapy on the pelvic floor, training with perineal exercises and describe techniques of physiotherapy, through a descriptive exploratory bibliographic research. Based on what was exposed, the conclusions was that therapeutic approach provides affordable and less invasive techniques to perform during the day. Through the patient involvement, the efficacy is obtained effectively by strengthening the pelvic musculature, allowing relief of the signs and symptoms of urinary losses and promoting an improvement of life quality; however, there is a need for more research to determine how long the therapy remains appropriate. Keywords: Urinary incontinence; physiotherapy; kinesiotherapy. 109 Visão Universitária v.(3) 2015 Visão Universitária (2015) v.(3):109-128 ©2015 - ISSN 1519-6402 1 INTRODUÇÃO A incontinência urinária possui inúmeras causas para o seu acometimento, como problemas anatômicos, disfunções neuromusculares e distúrbios psicológicos, alterando gravemente a saúde da mulher. O custo elevado para tratamento objetivando diminuição desse problema promove uma significativa preocupação para a saúde pública, que visa uma abordagem com propostas e intervenções para amenizar e sanar os sintomas o mais precocemente possível. As mulheres com o avanço da idade e por motivo de constrangimento e desconhecimento não impossibilita a instalação da incontinência urinária. Na busca de um tratamento prático as mulheres procuram o tratamento cirúrgico e/ou medicamentoso, deixando de realizar as técnicas fisioterapêuticas, sendo que são mais acessíveis, possuem menos invasão corporal e baixo custo (OLIVEIRA; GARCIA, 2011). O assoalho pélvico feminino está dividido em três porções, sendo anteriormente bexiga e uretra, medialmente a vagina e na região posterior o reto. É composto por estruturas de sustentação, as fáscias pélvicas, diafragma pélvico e diafragma urogenital. Sua composição em maior parte é de fibras de contração lenta e em menor parte de fibras de contração rápida. Todas as estruturas são essenciais no suporte e manutenção dos órgãos pélvicos em suas posições fisiológicas (SPENCE, 1991). Os fatores fisiológicos na continência urinária ocorrem por meio de manipulação central e periférica, a continência representa uma inter-relação entre esses dois mecanismos (NUNES; RESPLANDE, 2009). Para Carvalho e Freitas (2011) a incontinência urinária (IU) é classificada como qualquer perda de urina e deve ser analisada e classificada em relação ao tipo, frequência, o nível de gravidade, fatores precipitantes, impacto social, efeitos da higiene, o modo que afeta os hábitos diários e aplicação de métodos para contenção da eliminação de urina. O diagnóstico da IU é clínico e baseado em uma história clínica com todas as informações e

Recently converted files (publicly available):